Arquivo da tag: Herivelton Martins

Uma favela de belos barracos

Padrão

Já dizia Zé Ketti:o samba é a voz do morro, então vamos lá!

O post de hoje é sobre barracos!

Vou começar com “Barracão” de Luiz Antônio e Oldemar Magalhães, a canção é um triste retrato dessas habitações. A partir dela é possível fazer uma analise sócio espacial do país. Foi gravada originalmente em 1953, por Heleninha Costa.

“Ai, barracão
Pendurado no morro
E pedindo socorro
À cidade a seus pés”

Em 1968, Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim e Conjunto Época do Ouro regravam a música. Bravo!

Como não existe favela de um barraco só, Jair do Cavaquinho e José Bispo contribuíram para o crescimento da comunidade. “No Meu Barracão de Zinco” tem uma história bastante interessante. Jair conta no álbum Sesc/Ensaios Paulinho da Viola e os Quatro Crioulos (1990) que a composição inicial de Walter Rosa não levantava a quadra. “O samba era muito lindo mas de tão lindo o povo não cantava” [Walter era conhecido por suas letras com português rebuscado]. Jair foi pra casa, e em um papel de cigarro fez as modificações que transformariam “No Meu Barracão de Zinco” em sucesso.

“Em meu barracão de zinco
depois que ela foi morar
a minha vida se descontrolou
me sacrificando por uma mulher que não me tem amor”

Jamelão gravou a música.

-x-x-

Os incêndios foram e ainda são um dos maiores pesadelos para as favelas. Na Praia do Pinto – comunidade carioca removida em 1969 – praticamente todos os barracos foram devastados pelo fogo. Até hoje, não se sabe se o incêndio foi acidental ou se foi uma tentativa do Governo em adiantar o processo de remoção.

A música “Barracão pegou fogo” de Ari Carvalho e Ari Borges descreve a tristeza de ver sua casa sendo arrasada pelo fogo.

“nóis fiquemos sem lar
Isabé saiu gritando
onde nóis vai morar
abracei a Isabé
que chorava sem parar
enxuguei suas lágrimas
vendo o barraco queimá.
Só Deus sabe a minha dor”

Pra finalizar, não poderia deixar de falar em “Ave Maria no Morro”, de Herivelto Martins. O samba-canção, composto em 1943, foi  inspirado no barulho dos pardais se recolhendo nas árvores para dormir.

Herivelto Martins e Dalva de Oliveira apresentaram o esboço do novo samba para Benedito Lacerda. Terminada a cantoria, “Benedito tirou os óculos, esfregou os olhos e disse: meu compadre, isso é música de igreja, vamos fazer música para ganhar dinheiro”.

“Ave Maria no Morro” foi gravada pelo Trio de Ouro (Dalva de Oliveira, Herivelto Martins e Nilo Chagas), na época o Cardeal Dom Sebastião Leme pediu a proibição da musica por considerá-la uma heresia.

“Barracão de zinco
Sem telhado, sem pintura lá no morro
(…)
Fica bem pertinho do céu
Tem alvorada, tem passarada
No amanhecer sinfonia de pardais
Anunciando o anoitecer
E o morro inteiro no fim do dia
Reza uma prece
Ave Maria”

Fontes:
http://www.paixaoeromance.com/40decada/avemariadalva42/ave_maria.htm
http://institutocravoalbin.com.br
www.favelatemmemoria.com.br

Anúncios